Advogado é liberado após pagar R$ 2,8 mil; pintor sofre 3 fraturas

Folhamax 10/07/2018 Polícia

Advogado fugiu do local

Polícia

O pintor Martiniano Cabral, 54, atropelado pelo advogado Dyego Nunes da Silva Souza na madrugada do último sábado, 07, no bairro CPA IV, teve fraturas na bacia, costela e ainda o joelho trincado. As informações são de que a vítima não precisará passar por cirurgia, mas deve ficar em estado de repouso.
No entanto, na manhã de domingo retornou a unidade de saúde e constataram-se as fraturas. Martiniano foi atropelado no final de semana, 07, por um veículo dirigido pelo advogado Dyego Nunes, que fugiu do local.
Para a polícia, Dyego relatou que só fugiu do local por medo de ser roubado ou linchado. O advogado foi liberado em audiência de custódia.
Ele pagou mais de R$ 2,8 mil para poder responder ao processo em liberdade.
O caso do atropelamento ganhou repercussão após uma confusão do advogado Luciano Carvalho, que seria amigo do condutor do veículo. Luciano teria se apresentado como advogado do suspeito e soltado cães da raça Pitbull, para impedir uma prisão em flagrante.
Após isso foi dada voz de prisão e o advogado teria resistido. Horas depois, o advogado Luciano foi socorrido dentro a Central de Flagrantes do bairro Verdão.
A Associação Brasileira dos Advogados Criminalistas (Abracrim) publicou uma nota em que alegava que policiais civis teriam agredido o advogado, não respeitado a prerrogativa.

 

Notícias da editoria