Visando prevenção, mutirão de testes rápidos foi realizado

Rosi Oliveira / Redação DS 27/07/2018 Saúde
Saúde

No dia 27, ontem portanto, foi comemorado o Dia da Luta contra as Hepatites Virais. Por esse motivo e com esse foco,  o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) e Serviço de Atendimento Especializado (Sae), em parceria com a Vigilância Epidemiológica e Atenção Básica realizaram o Dia D de testes rápidos. O  objetivo foi de divulgar a importância da prevenção. A ação aconteceu das 8h às 16, na praça da antiga Prefeitura, onde um grande número de pessoas se reuniram em busca dos atendimentos.
De acordo com a coordenadora do CTA/Sae, Cláudia Cunha Oliveira, desde as primeiras horas da manhã a procura foi intensa. “Estamos trabalhando desde às 8 da manhã com as sete salas improvisadas e não paramos. Estamos muito satisfeitos porque a população compareceu. A gente fez essa oferta no centro da cidade para a gente pegar uma população que está em fluxo que está  trabalhando.  A gente procura manter toda a ética e sigilo. Alcançamos o objetivo esperado”, destacou a enfermeira.
Embora o Município de Tangará da Serra tenha registrado alta incidência de hepatites virais, neste dia D, o número mais expressivo de casos foi de Sífilis. “A gente ofertou quatro exames e na grande maioria, os pacientes aceitam fazer os quatro, embora eu não tenha realizado todos, a gente tem um número de Sífilis um pouco maior que os outros, já em teste reagente, mas a gente ainda vai fazer todos os exames confirmatórios para ter esse resultado mesmo ou não”, revelou, ao ressaltar que o mais importante é a população saber que existem os testes rápidos e sem custo algum disponíveis a todos que quiserem.
De acordo com dados fornecidos pelo CTA/Sae, entre os anos de 2007 a 2016, a Vigilância Epidemiológica notificou 367 casos de hepatites virais na cidade. O ano que o Município mais registrou casos foi em 2012, quando 56 pacientes foram acometidos pela doença. Apesar de uma significativa queda em 2015, quando apenas 28 casos foram registrados, as notificações voltaram a crescer em 2016, quando 41 pacientes foram diagnosticados com algum tipo de hepatite.

 



Notícias da editoria