Maternidades deverão informar tipagem sanguínea

Rosangela Milles / Assessoria 30/10/2018 Geral

O objetivo é detectar precocemente doenças, através de exame

Proposta apresentada pelo deputado Saturnino Masson

O deputado Saturnino Masson (PSDB) apresentou Projeto de lei nº 287/2018 que obriga os hospitais e maternidades a informarem a tipagem sanguínea e o fator RH no momento da emissão de documento de identificação dos recém-nascidos.


A proposição, em discussão na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso (ALMT), tem a finalidade de detectar precocemente doenças em recém-nascidos, através de exame de tipagem sanguínea, no prazo de aproximadamente 48 horas após o nascimento. O exame é efetuado através de uma amostra de sangue retirada no teste do pezinho.


A tipagem sanguínea é um teste o qual identifica o fator sanguíneo, se é positivo ou negativo, bem como o tipo sanguíneo, se o recém-nascido tem o sangue tipo A, B, AB ou O.


“Ter conhecimento da tipagem sanguínea e o seu fator de RH é fundamental, pois pode identificar a incompatibilidade de sangue entre a mãe e seu filho, bem como detectar doenças precoces nos recém-nascidos e em casos de emergências médicas como transfusões sanguíneas, este conhecimento pode salvar vidas”, declarou o parlamentar.


Além disso, trata-se de mais um mecanismo para evitar casos de troca ou de desaparecimento de recém-nascidos nos hospitais e maternidades, o registro realizado de tipagem sanguínea impedirá possível falsificação documental.


Vale ainda salientar que muitas pessoas mesmo na fase adulta, por desinformação, não possuem conhecimento de tipagem sanguínea e o fator de RH, porém este é de grande valia em casos emergenciais.
 

Notícias da editoria