Ano letivo pode ser iniciado com greve na rede estadual

Rodrigo Soares / Redação DS 29/01/2019 Educação

Sintep Tangará da Serra sinalizou paralisação em assembleia

Assembleia aconteceu no 29 de Novembro

Insatisfeitos com o pacote de projetos de lei votados e aprovados pelo Governo do Estado, profissionais da Rede Estadual de Ensino podem iniciar o ano letivo com greve, paralisação que se concretizada, poderá ser aderida em Tangará da Serra. A possibilidade ganhou força entre a categoria após o governador Mauro Mendes sancionar quatro projetos de lei que compõem o “Pacto por Mato Grosso’, entre eles a nova legislação que cria critérios para a concessão da revisão geral anual (RGA) da remuneração e subsídio ao servidor público, condicionando à existência de capacidade financeira do Estado para que os compromissos possam ser honrados.


No projeto de lei aprovado ficou estipulado que caso o Governo não tenha capacidade financeira de pagar a RGA nos próximos dois anos, terá que encaminhar novo projeto de lei para discutir o tema, fato que não foi bem visto por profissionais da categoria.


Em assembleia realizada pelo  Sindicato dos Trabalhadores do Ensino Público (Sintep) Subsede  Tangará da Serra na tarde desta terça-feira, 29, os profissionais debateram os prejuízos que serão causados com as novidades na legislação. “Nos reunimos para debatermos esses retrocessos. Formamos um conselho de representantes daqui de Tangará da Serra para participar da Assembleia Geral que acontecerá em Cuiabá na próxima segunda-feira (…) Existe perspectiva de iniciar o ano letivo em greve, isso está em pauta”, confirmou a presidente do Sintep Tangará da Serra, Francisca Alda Ferreira de Lima.


Conforme o Diário da Serra já veiculou em edições anteriores, além dos profissionais da Educação, outras categorias sinalizam paralisar as atividades. No setor da Segurança Pública em Tangará da Serra, a Polícia Judiciária Civil também sinaliza greve e aguarda posicionamento geral da categoria.

 

Notícias da editoria