Mulheres invadem os esportes e se destacam

Redação DS 08/03/2018 Esportes

Neste dia especial – Dia da Mulher – os destaques são Franciele Almeida e a Professora Anelisa Abelha

Esportes

Maria, Aparecida, Joana, Franciele, Simone, Erika, Anelisa, Marta... todas mulheres. Mas o que elas tem em comum? A paixão pelo esporte.
Essas e muitas outras 'Marias' estão cada vez mais marcando presença neste meio, seja em busca de saúde, lazer ou como profissão, especialmente em Tangará da Serra.
Uma dessas representantes femininas no esporte é a ciclista tangaraense Franciele Almeida, que a cada dia, a cada competição, se destaca. E olha que o esporte entrou na vida dessa ciclista há pouco mais de dois anos. “Eu era uma pessoa extremamente sedentária”, conta Franciele, ao relatar que começou a praticar em busca de saúde e para estar bem consigo mesma. “Comecei com pequenos passeios para eliminar peso e assim conseguindo meu objetivo de perder 14 quilos me vi apaixonada no mundo de duas rodas”.
Com essa paixão crescendo, Franciele Almeida começou a se dedicar ainda mais nos treinos e a cada competição a vontade de vencer crescia. “Minha primeira prova foi final de 2015, sendo a última mulher a chegar, porém não desisti e prometi me dedicar para me superar. Um mês depois teria uma prova e lá foi eu, sem pretensão alguma de pegar pódio, e sim de chegar bem e me superar (…) mas acabei ficando em segundo lugar. Desse dia em diante a paixão e dedicação só aumentou e hoje a bike e meus treinos se tornaram um hábito do meu dia a dia”, descreve. Todo essa dedicação já lhe rendeu diversos pódios, com destaque ao sexto lugar na dupla mista na prova 'Brasil Ride', considerada a  pior prova do Brasil.
Outro grande destaque no esporte feminino é da Anelisa Abelha. Sua paixão pelo esporte foi tão além, que se tornou professora de Educação Física, assim como é personal trainer e professora de Judô. “Pensar o que ele representa na minha vida é ao mesmo tempo pensar que minha vida e o esporte são duas coisas indissociáveis, pois desde bem cedo eu já me arriscava no mundo esportivo. Brincava de betes na rua de casa, ou vôlei, ou futebol, sempre estava me arriscando em algum jogo”, conta, ao lembrar que no judô, sua outra grande paixão, iniciou aos 13 anos, e desde então, outras foram sendo acrescentadas – natação, corrida, ciclismo e muitas outras. “Amo muito esse estilo de vida que escolhi para mim e para minha família, pois nossos finais de semana são sempre em movimento participando de treinos ou competições. E poder fazer de tudo isso meu trabalho, é privilégio, é uma satisfação”.

Fabíola Tormes / Redação DS

Notícias da editoria