Mais de 2 mil pessoas saem às ruas em Tangará

Redação DS 04/04/2018 Política
Política

‘Exigimos Justiça! Lula na cadeia! Punição aos criminosos de toga do STF e TSE por tentar enterrar a justiça no Brasil!’, ‘Corruptos na cadeia’. ‘Contra a impunidade’. ‘Exigimos uma intervenção militar no STF e TSE para restabelecimento da Justiça e da Democracia no Brasil’.
Esses foram os pedidos das mais de duas mil pessoas (estimativa da organização) que saíram às ruas nesta terça-feira, 3, em Tangará da Serra, em protesto ao pedido de concessão do habeas corpus preventivo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que será julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
Assim, exigindo justiça, os tangaraenses, mesmo sob forte chuva, mostraram sua indignação. “O recado foi dado. Se todo o brasileiro tivesse a bravura desses que permaneceram ali, teríamos um Brasil diferente. Um ato de bravura e um ato de civismo, de cidadania. Não se apavoraram e continuaram a caminhada”, afirmou a empresária Leani Ruppel, que esteve à frente da manifestação.
“É hora do povo brasileiro acordar (…) em todo o lugar você encontra o povo reclamando que a situação não está boa, só que ele precisa fazer alguma coisa para mudar. O único responsável por uma mudança chama-se brasileiro. É ele, o cidadão brasileiro, que tem que fazer a parte dele”, finalizou Ruppel, na esperança, agora, que o “Supremo Tribunal Federal faça sua parte”.
Condenado em segunda instância a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP), Lula tenta evitar sua prisão. Ele foi condenado pelo juiz Sérgio Moro no âmbito da Operação Lava Jato no ano passado e em janeiro deste ano teve a condenação mantida pela 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4).
Já nesta quarta, o STF debaterá se concede ao ex-presidente o habeas corpus que permitirá que ele apele em liberdade da sentença. Lula se declara inocente e denuncia uma conspiração das elites para impedir que ele volte ao poder nas eleições de outubro, nas quais as pesquisas o situam como favorito.

Fabíola Tormes / Redação DS

Notícias da editoria